Category Archives: As crónicas dos outros/as

Se tens medo de ser feliz, és um triste de todo o tamanho (por Pedro Chagas Freitas)

Hoje trago-vos um texto acutilante, de um autor irreverente, que nos faz ver a vida de um ângulo muito próprio: Pedro Chagas Freitas. Aqui fica, reflitam (se vos apetecer…):

“O que mais dói não é – desengana-te – a infelicidade. A infelicidade dói. Magoa. Martiriza. É intensa; faz gritar, sofrer, saltar, chorar. Mas a infelicidade não é o que mais dói. A infelicidade é infeliz – mas não é o que mais dói.

O que mais dói é a subfelicidade. A felicidade mais ou menos, a felicidade que não se faz felicidade, que fica sempre a meio de se ser. A quase felicidade. A subfelicidade não magoa – vai magoando; a subfelicidade não martiriza – vai martirizando. Não é intensa – mas é imensa; faz gritar, sofrer, saltar, chorar – mas em silêncio, em surdina, em anonimato. Como se não fosse. Mas é: a subfelicidade é. A subfelicidade faz-te ficar refém do que tens – mas nem assim te impede de te sentires apeado do que não tens e gostarias de ter. Do que está ali, sempre ali, sempre à mão de semear – e que, mesmo assim, nunca consegues tocar. A subfelicidade é o piso -1 da felicidade. E não há elevador algum que te leve a subir de piso. Tens de ser tu a pegar nas tuas perninhas e a subir as escadas. Anda daí.

Sair da subfelicidade é um drama. Um pesadelo. Sair da subfelicidade é mais difícil do que sair da infelicidade. Para sair da infelicidade, toda a gente sabe – tu mesmo o sabes: tens de tomar medidas drásticas. Medidas radicais. Porque a infelicidade é, também ela, radical. Mas sair da subfelicidade é uma batalha interior muito mais dolorosa. Desde logo, porque não sabes se queres, mesmo, sair da subfelicidade. Porque é na subfelicidade que consegues ter a certeza de que evitas a desilusão – terás, no máximo, a subdesilusão; porque é na subfelicidade que consegues ter a certeza de que evitas a perda – terás, no máximo, a subperda. Estás a ficar perdido com o que te digo?

A subfelicidade é o produto mais diabólico que a humanidade criou. Formatado pela consciência, o homem assimilou um conceito que, na verdade, não existe: o da felicidade segura. Espero que estejas bem seguro nessa cadeira quando leres o que aí vem no próximo parágrafo.

A felicidade segura não existe. A felicidade segura é segura, sim – mas não é felicidade. A felicidade pacífica é pacífica, sim – mas não é felicidade. A felicidade, quando é felicidade, assolapa, euforiza, arrebata. E não deixa respirar, e não deixa sequer pensar. A felicidade, quando é felicidade, é só felicidade. E tudo o que existe, quando existe felicidade, é a felicidade. Só ela e tu. Ela em ti. Ela em todo o tu. A felicidade, para ser felicidade, não tem estratos, não tem razão. Ou é ou não é. A felicidade é animal, de facto – mas é ainda mais demencial. Deixa-te louco de felicidade, maluco de alegria, passado dos cornos. Só quando estás dentro da felicidade é que estás fora de ti. Liberto do corpo, da matéria, da sensação – e imerso naquela indizível comunhão. Tu e a felicidade. Já a sentiste, não?

Não há como dizer de outra maneira: se estás acomodado à subfelicidade, se tens medo de ser feliz e preferes a certeza de seres subfeliz: és um triste de todo o tamanho. A subfelicidade é uma tristeza. Uma tristeza de hábitos, de rotinas, de sorrisos – uma tristeza que inibe a surpresa, o imprevisível, a gargalhada. Uma tristeza que te faz refém do que fazes e te impede de te seres o que és. Olha em redor: a toda a volta há pessoas subfelizes, pessoas que dizem “vai-se andando”, pessoas que dizem “tem de ser”, pessoas que dizem “eu até gosto dele”, pessoas que dizem “sou feliz” com os olhos cheios de “queria ser feliz”, pessoas que dizem “é a vida”. Mas não é. A vida não é a quase felicidade. A vida não é a subfelicidade. E, se é a primeira vez que vês isso, fica entendido o que sentes. Ou subentendido, pelo menos”.
in “Eu Sou Deus” – Pedro Chagas Feitas
http://www.pedrochagasfreitas.com/livros/eu-sou-deus/

 


 

Divino 😉

Kiss, kiss. Bang, bang!

celmira

Anúncios

Namore com uma pessoa que te conquiste todos os dias… (por Jéssica Pellegrini)

 

Namore com uma pessoa que saiba o que quer.

Namore com uma pessoa que deixou o passado para trás, que planeia um futuro ao seu lado. Namore com uma pessoa que não tenha dúvidas. Que seja presente, e nunca ausente. Uma pessoa que te conforte, te oriente e te apoie. Namore com uma pessoa que não tenha desculpas, apenas em pedidos de arrependimentos ou erros. Com uma pessoa que te faça sorrir constantemente. Namore com uma pessoa que também tenha te escolhido, que se entregue intensamente e não meça limites para te agradar. Namore com uma pessoa que não tenha vergonha ou medo de demonstrar os sentimentos. Com uma pessoa que você possa confiar, contar e desabafar. Namore com uma pessoa que desperte o melhor de você, mesmo sem querer. Namore com uma pessoa que te conquiste todos os dias.

Namore com uma pessoa que te causa insónia, ou quem sabe, que te passa segurança o suficiente para você dormir profundamente. Namore com uma pessoa que te coloque em primeiro plano, e em todos os próximos. Namore com uma pessoa que seja gentil, e que não perca o equilíbrio em situações extremas. Namore com uma pessoa que te assuma, sem receios, que não te esconda, nunca. Namore com uma pessoa que tenha coragem para enfrentar os imprevistos da vida, que não vai soltar a tua mão em momentos difíceis. Namore com uma pessoa que não desista, que insista e persista. Com uma pessoa que te espere, e não te apresse. Namore com uma pessoa que te faça perder a noção do tempo, com uma pessoa que te causa arrepios. Namore com alguém que sinta a sua falta. Com uma pessoa que, no silêncio, te saiba escutar.

Namore com uma pessoa que leve café da manhã na cama. Com uma pessoa que prepare surpresas inesperadas. Namore com uma pessoa que te mande várias mensagens durante o dia, e ainda te ligue nos intervalos. Namore com uma pessoa que ao invés de te cobrar, queira ser o seu cúmplice. Namore com uma pessoa que seja companheiro e amigo. Namore com uma pessoa que te preencha com mais certezas do que perguntas. Namore com uma pessoa que transforme sonhos em realidade. Namore com uma pessoa que chegue mais vezes e não suporte despedidas. Namore com uma pessoa que sinta saudade, que faça cafuné. Namore com uma pessoa que não deixe nada para depois, que faça acontecer agora. Namore com uma pessoa que sinta orgulho de você, e que te incentive a ser ainda mais admirável. Namore com uma pessoa que desapegue do telemóvel quando está contigo, que viva no mundo real. Namore com uma pessoa que te inspire, que te faça cantar pelos cantos ou desenhar corações no vidro embaçado.

Namore com uma pessoa que você esteja apaixonado, e que mantenha essa chama sempre acesa. Namore com uma pessoa que você gosta do beijo, do toque e do cheiro. Namore com uma pessoa que te olhe de dentro para fora, e saiba, sem hesitar, que só existe você e ninguém mais. Namore com alguém que planeia um casamento, que queira ter filhos e animais de estimação. Namore com alguém que te faça olhar para trás, e esteja disposto a organizar todo o seu quarto bagunçado. Namore com uma pessoa que vai conhecer os seus parentes e se tornar a sua família. Namore com uma pessoa que troque o aluguer por casa própria. Que jogue fora a cama de solteiro e compre um jogo de casal. Namore com alguém que se preocupe e te cuide.

Namore com uma pessoa que você agradeça com olhos lacrimejados, por depois de tantos equívocos, ter colocado sentido na sua busca incessante por um relacionamento ideal. E finalmente, ter feito todos os primeiros pedaços de bolo se tornarem a sua dieta mais saudável: de amor, carinho e respeito, em apenas uma pessoa.

No caso, amor, é você.

Escrito por Jéssica Pellegrini

 


 

Kiss, kiss. Bang, Bang!

celmira